Rosa Abaliac

Conviver Bem

18maneiras

18 atitudes das pessoas auto confiantes

Autoestima, segurança, autoconfiança, coragem e autenticidade são aprendidas na primeira infância e se desenvolvem ao longo da vida tanto para melhor quanto para pior, dependendo da história de cada um. As crianças que foram reforçadas positivamente pelos seus pais, cuidadores e professores começam a dar sinais de independência mais cedo que as outras e, geralmente demonstram boa  habilidade no contato social.

Ao se sentir amada, ao ser elogiada e ao se sentir importante na sua família e no seu meio social, a criança desenvolve o auto-reconhecimento e passa a também se valorizar.  Portanto, as chances dela ser um adulto “bem resolvido” – para usar uma expressão muito popular – são bem maiores que a das crianças que não foram estimuladas nesse sentido. A seguir um resumo dos principais comportamentos e sentimentos das pessoas que se enxergam de forma positiva:

  1. Elas reconhecem que não nascem sabendo e por isso não tem vergonha em demostrar que não sabem. Ao contrário, estão sempre dispostas a aprender coisas novas e não se sentem inibidas em perguntar quantas vezes acharem necessário. Também sabem que o erro faz parte da vida e não temem serem julgados por errar, pois encaram os erros e rejeições como oportunidades de crescimento.
  2. Costumam ser curiosas e vivenciam o conhecimento de novos saberes com prazer. Podem aprender de formas variadas: observando outros, por tentativa e erro, estudando sobre o assunto…
  1. São pessoas de iniciativa, gostam de estar em movimento e costumam ser proativas. Se prontificam a ajudar os outros, gostam de compartilhar o que sabem e agregar valor a vida dos que estão ao seu redor. Ficam absolutamente à vontades em demonstrar afeto e gratidão, assim como em elogiar amigos, familiares, colegas de trabalho… Além de receberam elogios e críticas também de forma positiva, ou seja, não buscam a aprovação do outro, buscam apenas dar o melhor em tudo que fazem.
  1. A persistente é uma característica marcante. Não desistem antes de tentar várias vezes. Utilizam a máxima: ações iguais, resultados iguais. Ações diferentes, resultados diferentes.
  1. Sabem que o medo é um sentimento comum em muitos momentos, mas não se deixam paralisar por ele. Refletem sobre suas limitações e analisam como podem ser melhores em cada contexto.
  1. Conseguem se adaptar a diferentes situações e conviver bem com os diferentes tipos de personalidades, pois são flexíveis e apreciam as diferenças.
  1. Valorizam cada experiência que tiveram, inclusive as desastrosas ou tristes, pois sabem da importância destas vivências para a sua constituição pessoal. Conhecem muito bem seus defeitos e qualidades.
  1. Jamais depositam em ninguém a responsabilidade da sua felicidade ou de suas frustrações. Portanto, não se enxergam como vítimas.
  1. Valorizam as opiniões dos outros, mas não tomam decisões baseadas apenas nelas, pois acreditam na sua própria intuição e na sua capacidade de analisar as situações.
  1. Buscam sempre a harmonia entre sentimentos, pensamentos, falas e ações.
  1. Se tratam com carinho e respeito. Não permitem estar em relações em que se sentem desvalorizadas, em trabalhos em que não se sintam reconhecidas e em amizades em que não existe reciprocidade. Se preocupam com o bem estar e fazem atividades para melhorar sua qualidade de vida, como: ouvir música, dançar, ler, caminhar, sair para jantar ou qualquer coisa que as deixem felizes.
  1. Olham as pessoas nos olhos. Cumprimentam os outros com um sorriso. Conseguem ter uma boa comunicação. Não temem falar tudo que pensam, mesmo que esteja em desacordo com a maioria, mas são assertivas na forma de se expor e por isso são compreendidas.
  1. Não se acham superiores ou melhores e muito menos se gabam por alguma conquista; isso não tem nada haver com autoconfiança e sim com arrogância.
  1. São otimistas e não deixam os problemas controlarem suas vidas. Arriscam-se muito mais que as pessoas inseguras. O novo é encarado como um desafio prazeroso.
  1. Não perdem tempo criticando ou fazendo fofoca de alguém. Preferem falar de ideias do que de vidas alheias.
  1. Gostam da sua própria imagem refletida no espelho. Se sentem bonitas, ainda que saibam dos seus “pontos fracos”.
  1. Adoram fazer planos, ter objetivos, enumerar metas. Nunca deixam de sonhar. Os sonhos alimentam as pessoas auto confiantes.
  1. Entendem que se não se amarem primeiro, não conseguirão ter relacionamentos saudáveis.

Por fim, é bom explicitar que não existe uma pessoa sempre confiante. Por mais que alguém se sinta assim, tem momentos que a auto estima é diminuída e que sentimentos de fracasso e impotência passam pela cabeça. O contrário também é verdadeiro: ninguém é 100% inseguro. No entanto, a  grande sabedoria das pessoas que acreditam no seu potencial é a capacidade de sempre buscar transformações na sua vida e, a procura por uma psicoterapia, é uma das formas de conquistar estas melhorias.


Autora: Rosa Abaliac (CRP 06/11.5830)

autenticidadeautoconfiançaautoestima

rosaabaliac • setembro 20, 2016


Previous Post

Next Post